Fundação Macaé de Cultura

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Notícias Notícia 'Eu Negra' comove plateia na abertura da I Jornada Cultural e Pedagógica da Serra Macaense

'Eu Negra' comove plateia na abertura da I Jornada Cultural e Pedagógica da Serra Macaense

E-mail Imprimir

"Ninguém ouviu, um soluçar de dor, no canto do Brasil... negro entoou um canto de revolta pelos ares do Quilombo dos Palmares, onde se refugiou..." (Canto das três raças - Mauro Duarte e Paulo Cesar Pinheiro).

Noite de encanto. Assim foi a abertura da I Jornada Cultural e Pedagógica da Serra Macaense, no espaço da Biblioteca Henriqueta Marotti, nesta segunda (15), onde a atriz Claudia Bispo retratou a vida e luta dos escravos, com o espetáculo 'Eu Negra', tendo a mulher negra e sua história como escrava, como foco. A Programação segue até domingo (21).

Claudia, além de atriz, é a responsável pelo texto que, por meio de gestos e frases fortes, conta um pouco do que viveu uma escrava: "Esse texto, cada vez que apresento, é de emocionar, nele contextualizo fatos de agora, onde a mulher também é tratada, de certa forma, como escrava, e busco atrair a plateia para realmente refletirmos sobre o tema. E quanto a essa proposta da Jornada Cultural registro a importância de descentralização do fazer artístico, parabéns aos envolvidos", disse.

jornada

 

A plateia, em sua maioria formada por professores e alunos do Colégio Municipalizado Raul Veiga, estava concentrada na apresentação, cada gesto e história atraiam mais olhares. O tema provocou um entusiasmo coletivo. "Belíssimo retrato da mulher negra no Brasil, belíssima performance da atriz. Não tem como não entrar no texto e se emocionar. Que maravilha estar presenciando, neste espaço, jovens e adolescentes envolvidos com a arte". Registrou Paulinho Marques, professor e artista plástico.

Para Rosemere Daudt, Assistente Social, essa proposta é essencial para integração e envolvimento da comunidade. "Trazer tudo isso para perto do morador da região serrana é um presente para todos.". Registrou Rosemere, que também está inserida na proposta da Jornada Cultural e Pedagógica com a Oficina de Arte e Terapia (terrário) e jardinagem.

A ação é desenvolvida pela Biblioteca Pública Municipal Henriqueta Marotti em parceria com o Colégio Municipalizado Raul Veiga, promovida pela Secretaria Municipal de Cultura. Para Célia Jatobá, que coordena as atividades da Biblioteca, parceria como essa faz a diferença.

- Realizar é o lema. Trazer atividades e propostas para Serra de Macaé é de muita importância. Parcerias são primordiais e o nosso espaço está cada vez mais sendo palco de excelentes propostas. Agradeço a todos que acreditaram e colaboraram para que a I Jornada Cultural e Pedagógica saísse do papel. Gratidão - pontuou Jatobá.

A Secretária de Cultura,Tânia Jardim, ressaltou a importância da revitalização do espaço cultural Antônio Otto de Souza, onde funciona a Biblioteca. Espaço este que desde o ano passado, com a nova gestão, vem sendo palco para muitas ações e projetos culturais com a participação da comunidade local.

- Volto a falar sobre a democratização da Cultura, estar aqui e presenciar a realização de projetos como este, envolvendo adolescentes e jovens, aguçando os mesmos a pesquisar  sobre arte, é muito significante para todos nós. O trabalho realizado neste espaço nos dá a certeza que estamos no caminho certo, fazendo com que a descentralização do fazer artístico realmente aconteça - finalizou.

Confira a programação:

Dia 16 - Exposição "Pássaros do Brasil" (óleo sobre tela), por Sérgio Spencer

14h - Oficina Arte e terapia (terrário), por Rose Daudt - Jardinagem

Dia 17 - 15h - Apresentação da Orquestra Popular de Macaé (OPM)

19h - Palestra "Água – Bacia do Rio Macaé", com o professor Maurício Molisani - NUPEM/ UFRJ

19h30 - Cinema Ambiental – CUCA NUPEM/UFRJ

20h - Roteiro Turístico de Macaé – com os turismólogos da Secretaria Municipal de Turismo

Dia 18 - 10h – Oficina de Customização, por Maria Eduarda

10h - Hip hop (rimas e poesia), por Paulo Marques

19h - Noções Básicas de Defesa Civil – Rio São Pedro por Jomar Faturini

14h - brincadeiras esportivas, slikeline, corda, circuito pneus, pula-pula, por Crucks da Serra (expedições e aventuras)

19 h - Noite de autógrafos do escritor e poeta glicerence, Carlos Henrique Lopes de Figueiredo

Homenagem póstuma – Sidamaiá Oliveira Gonçalves (atuante na comunidade educacional)

Dia 20 - 10h - Esquete Mota Coqueiro, com a Cia EMARTeatro (EMART)


11h - Sarau e Encontro dos escritores, poetas, contadores de história, agentes culturais, educadores, artistas, estudantes, comunidade

Roda de bate-papo com Hanna Gledyz - representante do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Rio de Janeiro - Secretaria Estadual de Cultura; Tânia Maria Jardim, Secretária Municipal de Cultura de Macaé

13h - Gastronomia de boteco (caldinho de aipim, pastel, carne-seca com aipim)

Roda de Capoeira

Samba Choro – Rádio Alternativa FM

Dia 21 - 8h - Passeio Ciclístico Glicério - Trapiche - Glicério (Secretarias Municipais de Cultura, Esportes e Adjuntas de Turismo e Interior)

 

A Biblioteca Pública Henriqueta Marotti fica na Rua Lauro Gonçalves, s/n, Glicério, e pertence a Secretaria Municipal de Cultura

Jornalista Mônica Braga

 

 

 

 

 

 

Notas

Macaé promove segundo Seminário sobre Violência

O segundo Seminário sobre Violência, promovido nesta quarta-feira (29), reuniu 160 participantes e colocou em pauta a prevenção de violências contra o sexo feminino, a equidade e a ideologia de gênero machista. O evento, organizado pela prefeitura, aconteceu das 9 às 13 horas e de 14 às 18 horas, no Auditório Cláudio Ulpiano, na Cidade Universitária. A Secretaria de Desenvolvimento Social, Direitos Humanos e Cidadania, a Coordenadoria de Políticas para Mulheres e o Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam) foram responsáveis pela programação.

A importância do seminário foi destacada pela Secretária de Desenvolvimento Social, Tatiana Pires. "A violência está em toda parte, em todas as classes sociais, não está restrita à raça, cor de pele, religião. O município tem equipamento de proteção para acolher a mulher vítima de violência, que vem fragilizada, mas é atendida por um trabalho de rede de modo a garantir a essa mulher a segurança", disse a secretária.

Satisfeita com a adesão pública ao evento, a coordenadora de políticas para mulheres e do Ceam, Jane Roriz, evidenciou os dados: em 2016 foram 3.921 atendimentos sociais, psicológicos e jurídicos pela equipe técnica, formada por assistentes sociais, psicólogos e advogados, referenciados por algum órgão que atende as mulheres ou por demanda espontânea.

Fonte: Equipe da SECOM