Fundação Macaé de Cultura

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Notícias
Notícias

'Benê Lá' é sucesso no Mercado de Peixes

E-mail Imprimir

 b2

E o 'Benê Lá' está surpreendendo em cada edição. A proposta semanal oferece ao público boa música, gastronomia de qualidade e sempre abre espaço para outras manifestações artísticas.

Nesta terça (23), a equipe da Farah Cultural, promoveu um aulão de Dança de salão. Alunos e professores interagindo com o público, enquanto a Banda Benê tocava xotes e forró, com direito a sanfona e triângulo.

A animação não parou por ai, além do Benê promover encontros e ser ponto de referência para descontração após o horário de trabalho, também foi opção escolhida para comemorar aniversário.

- Já frequento o 'Benê' desde o ano passado. Num lugar só, boa música e petiscos de primeira. Não tive dúvidas na escolha do lugar para comemorar meu aniversário com amigos. - disse Janaína Viana de Almeida, Assistente Social.

Para Angelica Santos, professora e estudante de Pedagogia, o Benê é uma ótima opção nos intervalos das aulas. "O estresse natural do dia corrido ameniza quando chego na Praça, ouço música e sempre venho para degustar os pratos da culinária nordestina. Que tenhamos na cidade mais propostas como essa". - registrou.

O Benê Lá é um projeto da Prefeitura Municipal através da Secretaria de Cultura que acontece desde o início de 2016, com atrações musicais, tendo a Banda Benê (formada por alunos e professores da Escola de Artes Maria José Guedes - EMART) como apresentação fixa, barracas de petiscos e bebidas e com espaço para diversidade cultural, cada edição promove nova manifestação artística.

Benê Lá, toda terça, a partir das 18h, na Praça Jorge Marins, em frente ao Mercado de Peixes, antiga Rua da Praia, Centro.

Jornalista Mônica Braga

 

B1

b6

Janaína com seus amigos do trabalho curtindo o 'Benê Lá' no seu aniversário

 

'Vivendo com Lúpus' é exibido no CEU Malvinas

E-mail Imprimir

 

13221677 942792472484728 5802077838455048908 n

O Centro de Artes e Esportes Integrados (CEU), no bairro Malvinas, apresentará nesta quinta (25), 9h, o documentário 'Vivendo com Lúpus', enfatizando a importância da informação e da motivação no diagnóstico e tratamento da doença, mostrando depoimentos reais entremeados com textos poéticos.

'Vivendo com Lúpus' é um trabalho produzido e dirigido pelo publicitário Hélder Santana, que ressalta a importância de levar a informação alcançando o maior número de público possível no bairro, "Levar para o CEU Malvinas um trabalho como esse tem o objetivo de ajudar no diagnóstico rápido e apoio motivacional aos pacientes e familiares." - registra.

 

Na ocasião, antes da exibição do documentário, haverá palestra ministrada por profissionais do posto de saúde municipal, que funciona ao lado do CEU, uma prévia explicativa sobre a doença.

 

- Baseando-se que o lúpus é uma doença autoimune inflamatória crônica que faz com que o sistema imunológico do paciente ataque e destrua tecidos saudáveis do organismo erroneamente, O documentário informa e esclarece, e uma prévia com a presença dos profissionais da saúde é de considerável importância - Pontua Hélder.

 

Sobre 'Vivendo com Lúpus' - Nasceu da iniciativa do empresário e produtor executivo Tairone Oliveira que, a partir de sua experiência pessoal, resolveu contribuir com a difusão de conhecimento sobre lúpus como forma ajudar a educar quem convive com a doença e seus familiares, além de facilitar a busca de ajuda correta nos casos de busca por diagnóstico.

 

Hélder Santana, setor produção da Secrataria Municipal de Cultura, atua também no CEU com atividades de reforço escolar, aulas de inglês e exibição de filmes infantis. Além dessas atividades, o CEU oferece a comunidade biblioteca, aulas de balé, de artes circense, jiu jitsu, entre outros e conta com quadra coberta, salas multiuso, cineteatro, pista de skate e Centro de Referência de Assistência Social (Cras).

 

Mais sobre o filme você encontra no link abaixo:
https://www.facebook.com/vivendocomlupusdoc/

 

Jornalista Mônica Braga

 

 

Exposição sobre Motta Coqueiro em cartaz no Solar dos Mellos

E-mail Imprimir
 
3Até o mês de julho, estará aberta a visitação de estudantes e turistas a exposição “As Várias Memórias de Motta Coqueiro”. Nela, crianças também poderão ter acesso a interpretações de forma lúdica à história do rico fazendeiro que, no século XIX, foi o último condenado a morte no Brasil. Nessa mostra, marcada por cartoons - história em quadrinhos -, idealizados pelo gerente de projetos do Solar dos Mellos, Leonardo Barreto, também há teses, pinturas e livros expostos ao público.

- Convidamos as escolas a trazerem seus alunos a essa exposição – diz a organizadora da mostra, a gerente de projetos Cláudia Barreto. Em cartaz, ainda se encontram o Processo-Crime contra Motta Coqueiro, feita por seu escravo em 1855, sua Sentença-Crime, além de livros com visões diferentes sobre ele, como por exemplo a tese de César Möller, intitulada ‘A Fera de Macabu: Memórias de Um Crime, Uma Pena de Morte e Uma Maldição’, de 2007.

Nessa mostra, entre as várias análises sobre Motta Coqueiro desenvolvidas por diversos pensadores, estão disponíveis textos de Godofredo Tinoco e de Armando Borges, além de citações de Antonio Alvarez Parada. Para agendamento escolar e mais informações, o Solar dos Mellos fica na Rua Conde de Araruama, 268, Centro. Seu telefone é: (22) 2759-5049.

Motta Coqueiro

Manuel da Motta Coqueiro, apelidado de "A Fera de Macabu", foi um rico fazendeiro da região Norte Fluminense, sendo o último condenado à pena de morte no Brasil, por ter, supostamente, mandado matar toda uma família de colonos residente em suas terras. O caso é um dos crimes mais famosos do país, pois muitos consideram que foi executado um inocente.

Esse fato ocorreu no segundo reinado. O processo de prisão, condenação e enforcamento se deu entre os anos de 1852 e 1855 (ano do enforcamento). O episódio, estudado por legisladores, estudantes de Direito e advogados, aconteceu nas terras de Motta Coqueiro, em Macabu, na época da freguesia de Nossa Senhora das Neves/Macaé.

A 15ª Semana de Museus

Essa exposição teve início durante a 15ª Semana de Museus, comemorada no Dia Nacional de Museus, na última quinta-feira (18). Na ocasião, esteve presente no Solar dos Mellos o secretário Estadual de Cultura, André Lazaroni. Nesse dia, a doutoranda em História, Conceição Franco, a mestranda em arquivologia, Juliana Alvim e a mestranda em História, Bárbara Benevides, ministraram palestras no auditório Washington Luiz. O Solar dos Mellos está vinculado à Secretaria Municipal de Cultura.

- Esse evento marca a cultura nacional, uma vez que Motta Coqueiro foi o último condenado à pena de morte no país. A equipe do Solar dos Mellos, que produziu essa exposição e as atividades culturais, está de parabéns – disse a secretária de Cultura, Tânia Jardim.

 

 

7

6

4

 

Equipe Secom

Fotos Rogério Pecciolli

 

Cultura divulga agenda da semana

E-mail Imprimir

 

A Secretaria Municipal de Cultura inicia a semana dando continuidade a proposta 'Música todo Dia" que consiste em apresentações musicais onde o público além de apreciar, poderá também participar. A proposta se divide em oficinas de canto, apresentação de estilos musicais, evidenciando o Jazz e a Bossa Nova, camerata de violões e o quarteto com violoncelo. As apresentações acontecem no Foyer do Teatro Municipal.

As propostas semanais Benê Lá, A Língua do P, poesia, poetas, povo e Imbetiba com Cultura enriquecem as opções de lazer e entretenimento.

Confira a programação completa:

Segunda-feira 22
19h - Jazz e Bossa Nova, no Foyer do Teatro.

Terça-feira 23

De 9h às 12h - Programa Educação Patrimonial - Projeto Visita Guiada: com a Escola Municipal Antônio Alvares Parada, com alunos do 4º ano do Ensino Fundamental.

18h - Benê Lá, na Praça do Mercado de Peixes.

De 19h às 21 - Programa Educação Patrimonial - Projeto Visita Guiada: com a Escola Municipal Maria Letícia, com alunos do EJA.

Quarta-feira 24

De 9h às 12h - Projeto Lugares de Memória: Escola Municipal Interagir, com alunos do 4º anos do Ensino Fundamental

 

15h - Ensaio Aberto da Orquestra Popular de Macaé (OPM), na Praça das Artes.

Quinta-feira 25
18h30 - Quarteto Violoncelos, no Foyer do Teatro Municipal.

19h - A Língua do P, poesia, poetas, povo, no Balcão Nobre do Teatro Municipal.

18h - Imbetiba com Cultura e banda Benê Lá, orla da praia da Imbetiba.

20h - Prática Técnica de Coral e Repertório de Canto, no Foyer do Teatro Municipal.

Sexta-feira 26

De 9h às 12h - Programa Educação Patrimonial - Projeto Visita Guiada: com a Escola Municipal Antônio Alvares Parada, com alunos do 4º ano do Ensino Fundamental.
18h30 - Camerata de Violões, no Foyer do Teatro.

Sábado 27
15h - Recital de Canto, No Espaço Cultural CriaSana.

17h30 - Festival Permanente do Minuto

Mostra melhores minutos 2016
Mostra animação
Mostra Universitária
No Espaço Cultural CriaSana.

Endereços:

- Foyer, Balcão Nobre e Praça das Artes são espaços dentro do Centro Cultural. Avenida Rui Barbosa, 780, Centro.

- Praça do Mercado de Peixes, antiga Rua da Praia, Centro.

- Espaço Cultural CriaSana - Rua José de Jesus Júnior, s/n, Sana.

Jornalista Mônica Braga

 

4

Benê Lá, toda terça no Mercado de Peixes

 

História de Mota Coqueiro marca o Dia do Museu no Solar dos Mellos

E-mail Imprimir

WhatsApp Image 2017-05-19 at 13.05.52

 

O Solar dos Mellos foi palco nesta Quinta (18) de mais uma apresentação referente a história de Mota Coqueiro, em comemoração ao Dia do Museu. Dessa vez entraram em cena os alunos da Escola de Artes Maria José Guedes - EMART, que fazem parte da Cia de Teatro Musicado, com direção de Márcio Gonçalves, que também é o responsável pela coordenação de teatro da EMART, e assistência de direção da atriz Cláudia Bispo.

A história do rico fazendeiro Manuel da Mota Coqueiro, apelidado de "A Fera de Macabu",  foi apresentada de forma dinâmica e rica de expressões pela Cia de Teatro Musicado deixando a plateia atenta em cada detalhe. Mota Coqueiro foi condenado a morte por ter - supostamente- mandado matar toda uma familia de colonos residentes em suas terras, caso que ficou famoso no país, porque muitos o consideraram  inocente.

 

- Que lindo, fascinante e atraente essa versão da história do Mota Coqueiro. Muito bom ver atores ainda novos envolvidos com a arte e todos muito bons em cena e passando, em pouco tempo, toda a essência desse episódio que marcou  Macaé. Parabéns aos envolvidos. Belo espetáculo. Pontuou José Silva, professor, que por longos anos lecionou História no Colégio Luís Reid.

O diretor de Teatro da Emart e também responsável pelo texto e direção do espetáculo, Márcio Gonçalves, graduado em artes cênicas, interpretacão e direção teatral, enfatiza a qualidade dos atores da Cia, e dedicação dos mesmos a arte e revela que muitos trabalhos bons sairão dessa equipe, incluindo a peça Histórias de Macahé em comemoração a Macaé, no seu aniversário.

- Além da peça Histórias de Macahé, faremos também a terceira edição da Exposição fotográfica - Antropologia Urbana - Olhar Urbano Sobre Macaé, tudo isso em comemoração a cidade. -Completa Márcio.

O elenco da esquete é formado por Adriano Uzah, Bianka Luvik, Carol Haber, Flávio Xavier, Léo Mendes, Raphael Miranda e o Mota Coqueiro da noite foi o ator Júnior Moreno - Capixaba e em Macaé há quatro anos trabalhando com teatro-, revelou sua emoção em estar ali no quintal do Solar dos Mellos dando vida a esse famoso personagem. "Sensação única estar aqui no Dia do Museu retratando essa história intrigante. Bom demais fazer o público de hoje refletir sobre o tema. Estou ainda em êxtase com esse trabalho envolvente, enriquecedor e satisfatório. Obrigada a Cultura do Município por oportunizar e acreditar em nosso trabalho" - Colocou Moreno.

Para Jaqueline Costa Lima, diretora da EMART, é muito gratificante ver tudo acontecendo: "Formação da Cia de Teatro, apresentações, músicas pela cidade através dos projetos. Sei que ainda há muito o que fazer, mas o trabalho diário e contínuo faz com que a colheita seja satisfatória. Agradeço toda equipe por essa dedicação, trabalhar com Arte é sublime! - disse Jaqueline.

O retorno da plateia foi de imediato, em sua maioria macaense, notava-se o entusiasmo. Nela estavam, também, a Secretária Municipal de Cultura Tânia Jardim, a Secretária Adjunta de Patrimônio, Gisele Muniz, o Subsecretário de Cultura do Estado, Aldo Mussi junto com o Secretário Estadual de Cultura, André Lazaroni.

- Quanta emoção estar no quintal do Solar, vendo a cultura acontecer. Parabéns a equipe da Cultura. É visível o trabalho que estão realizando em Macaé.  -Pontuou Aldo Mussi.

Para Lanzaroni, "a Cultura é o antídoto para a crise, parabéns a Cultura de Macaé pelo trabalho construído e realizado. Estamos estabelecendo parcerias para dinamizar e impulsionar as ações culturais nos municípios. Esse vínculo muito mais consistente com a Cultura de Macaé, através da Tânia Jardim, faz a diferença" - Disse.

A Secretária Tânia Jardim enfatizou, mais uma vez, a importância da democratização da Cultura e informou, que além da Emart, muita coisa está acontecendo na cidade.

- Temos hoje várias vertentes culturais, de trabalho diário com a comunidade que vai de projetos nos bairros até ações em praças públicas. Semanalmente tem o Benê La, Imbetiba com Cultura e Música Todo Dia. A Cultura acontecendo, o Dia do Museu foi um marco esse ano, com essa maravilhosa apresentação sobre Mota Coqueiro, exposições, palestras, por fim, é muito gratificante ver o trabalho em equipe realizado desta forma - Registrou Tânia.

Além da esquete sobre Mota Coqueiro, outras atividades também foram realizada, palestra sobre pena de morte com a mestranda Barbara Benevides, mostras, exposições, teses e bibliografias. O Solar dos Mellos fica na Rua Conde de Araruama, 248, Centro.

Jornalista Mônica Braga

Fotos Rogério Peccioli

 

 

 


Página 4 de 136

Notas

OPM realiza ensaio aberto com sucesso

 

Toda quarta, a Orquestra Popular de Macaé (OPM) promove seu ensaio aberto na Praça das Artes, prédio do Centro Cultural, onde alcança um público considerável.

Quer apreciar boa música? É só chegar!

O Ensaio tem início às 15h, com repértorio variado de choro e música popular brasileira, também com arranjos autorais.