Fundação Macaé de Cultura

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Notícias
Notícias

Aula inaugural do Curso Técnico de Arte Dramática é nesta quarta

E-mail Imprimir

A aula inaugural do Curso Técnico de Arte Dramática (ênfase em Interpretação e Literatura Dramática), promovido pela Fundação Macaé de Cultura por intermédio da Escola Municipal de Artes Maria José Guedes (EMART), acontece nesta quarta-feira (19), das 18h às 22h. Na pauta, a apresentação para os alunos do calendário da escola, dos novos professores e os procedimentos administrativos. O tempo mínimo de duração do curso é de dois anos e o máximo quatro anos.

Neste ano letivo, 18 novos alunos ingressaram no curso, que oferece disciplinas práticas de Interpretação, teóricas (História do Teatro Mundial e Brasileiro e Literatura Dramática), e técnicas (Maquiagem, Iluminação, Cenografia e Figurino). O corpo docente é composto por seis professores e três instrutores, todos com mais de 10 anos de experiência na área. Ao final do curso, os alunos terão participado de duas montagens: uma leitura dramatizada e uma peça encenada, ambas abertas ao público. A EMART fica localizada à Rua Dr. Télio Barreto, 80, Centro, em frente à Praça Washington Luís.

Captura de tela 2014-02-18 as 16.09.37

 

 

Baile de Máscaras abre o carnaval macaense dia 27

E-mail Imprimir

Descontraído e alegre, o Baile de Máscaras continua sendo uma das boas opções do carnaval macaense. A animação faz parte do calendário da Fundação Macaé de Cultura (FM), organizadora do evento. Neste ano, o baile será numa quinta-feira (27/02), das 18h às 22h, abrindo os festejos de Momo na Praça Veríssimo de Mello. O anfitrião dessa festa, Juliano Tannus da Fonseca, presidente da FMC diz que será uma noite muito divertida, onde não irão faltar confetes e serpentinas.

O Baile de Máscaras é um entretenimento que reúne a família macaense em clima de volta ao passado, através das consagradas Marchinhas de Carnaval, um gênero de música popular que orquestrou o carnaval brasileiro dos anos 20 aos 60 do século XX, mas que continua vivo e agradando aos foliões. A primeira marcha foi “Ô Abre Alas”, composta por Chiquinha Gonzaga, em 1889. Para este ano, é estimado um público de 1.000 pessoas, de todas as idades. No Baile haverá também o concurso para a escolha da máscara mais criativa, a mais original e a mais bonita.

3 - botao face 403x353

 

Programa de Educação Patrimonial é apresentado em Macaé

E-mail Imprimir

A visão de que as empresas têm como única função gerar empregos e desenvolver produtos e serviços de forma lucrativa vem sendo substituída por uma nova ótica: levar em consideração a importância e a necessidade de incorporar os interesses das populações impactadas por suas atuações. Nesse sentido, a Zanetinni Arqueologia criou o Programa de Educação Patrimonial, visando atender à proposta da Autopista Fluminense, realizadora da duplicação da BR-101.

Aos moldes do levantamento de dados históricos e culturais feito em Casimiro de Abreu, Silva Jardim e Rio Bonito, cidades limítrofes da primeira faixa de duplicação da BR 101, Macaé também pode vir a ser contemplada pelo Programa de Educação Patrimonial. O programa foi apresentado pela Zanettini Arqueologia à Vice Presidência de Acervo e Patrimônio Histórico e à Fundação Macaé de Cultura, órgãos municipais de afinidades ao que é proposto. “As parcerias são fundamentais para o bom resultado do nosso trabalho”, afirmou a coordenadora da Zanetinni, Louise Prado Alfonso.

Seguindo o conceito de Paisagem Cultural, o programa propõe a criação de espaços de diálogo e reflexão sobre o passado, presente e o futuro das comunidades e dos bens patrimoniais, a partir da compreensão e reconhecimento dos contextos locais. Como mote para as ações desenvolvidas são selecionadas duas temáticas que possibilitam refletir sobre os diferentes segmentos formadores das comunidades. Dessa forma, o programa colabora para que grupos diversos selecionem bens patrimoniais e referências culturais dos seus cotidianos.O Programa de Educação Patrimonial contribui para valorizar as identidades e memórias que mantêm viva nossa cultura e história”, disse o presidente da Fundação Macaé de Cultura, Juliano Tannus da Fonseca.

 

O Programa de Educação Patrimonial é direcionado à formação de multiplicadores, por meio da elaboração de oficinas de Identidade e Patrimônio, abertas ao público em geral. Após a etapa inicial, está previsto mais à frente a realização de pesquisas arqueológicas em toda a extensão da obra de duplicação. A Autopista Fluminense tem a concessão para administrar e conservar a BR-101 por um período de 25 anos, a contar da assinatura do contrato, em fevereiro de 2008.

 

Captura de tela 2014-02-11 as 16.37.00

 

Marceneiros da Selimp doam relíquia ao Museu da Cidade

E-mail Imprimir

Captura de tela 2014-02-10 as 11.00.54Transformar o velho em novo é tarefa extra e espontânea dos servidores municipais Silvio Manuel e Carlos Cesar, marceneiros da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Selimp). Das mãos talentosas dessa dupla, ganhou vida uma cadeira de trem, de estrutura de ferro e madeira, contendo as iniciais L.R, referente ao nome da antiga Estrada de Ferro Leopoldina.  A peça foi totalmente recuperada e doada recentemente ao acervo do Museu da Cidade de Macaé – Solar dos Mellos. A Fundação Macaé de Cultura e a Vice-Presidência de Acervo e Patrimônio Histórico receberam com satisfação e reconhecimento este valioso presente, que contribui de forma relevante para o resgate da memória do município.

A cadeira de trem ficou guardada durante mais de 20 anos, e dela praticamente só restava ferragem. Na recomposição da peça, os marceneiros reaproveitaram um pranchão de madeira Angelim encontrado enterrado na faixa de areia entre a Lagoa de Imboassica e a Praia do Pecado. Foram 15 dias de trabalho para transformar o lixo descartado em relíquia. A varinha mágica dos marceneiros fez um pedaço de madeira, envelhecida pelas intempéries, dar vida à arte da restauração a partir de materiais recicláveis.

– A Vice-Presidência de Acervo e Patrimônio Histórico recebe não só este bem, mas a iniciativa dos funcionários da Selimp que traz a noção de cuidado para o bem público, isso é louvável! Desta forma, damos continuidade a um trabalho que não cabe apenas ao poder público, mas é tarefa de todos nós cidadãos. A história e a memória da ferrovia assim mantêm-se viva! – comentou a vice-presidente de Acervo e Patrimônio Histórico, Gisele Muniz.

Na oficina de carpintaria, nasceram também, recentemente, outras obras bastante aplaudidas pela população: o deque instalado na Lagoa de Imboassica e 12 escadas de madeira, colocadas ao longo da Praia Campista. No trabalho de rotina, os marceneiros constroem e recuperam bancos de praças, tampões e pranchões de pontes, entre outros. Os marceneiros da Selimp também reformam móveis e objetos encontrados nas ruas pelos agentes de limpeza, e que após os devidos reparos são doados aos funcionários que precisam.

 

Baile de Máscaras para todas as idades

E-mail Imprimir

Como já se tornou tradição, a Praça Veríssimo de Mello vai se transformar mais uma vez em um grande salão, para receber foliões de todas as idades durante o Baile de Máscaras, programado para acontecer no dia 27 (quinta-feira), das 18h às 22h. A Fundação Macaé de Cultura faz este primeiro anúncio ao público, agradecendo de forma especial a parceria da terceira idade, sempre presente no evento com sua contagiante animação.


No Baile de Máscaras haverá concurso da máscara mais criativa, a mais original e a mais bonita. Organizadora do evento, a Fundação Macaé de Cultura estima em torno de mil foliões nessa festa carnavalesca, entre crianças, jovens, adultos e idosos. “A participação dos idosos nesses eventos é de grande importância, eles não podem ficar fora dessa”, convoca a dirigente da Coordenadoria Especial da Terceira Idade (Cetim), a assistente social Alcyra da Cruz Coutinho.

 

Captura de tela 2014-02-07 as 12.52.28

 


Página 130 de 133

Notas

Macaé promove segundo Seminário sobre Violência

O segundo Seminário sobre Violência, promovido nesta quarta-feira (29), reuniu 160 participantes e colocou em pauta a prevenção de violências contra o sexo feminino, a equidade e a ideologia de gênero machista. O evento, organizado pela prefeitura, aconteceu das 9 às 13 horas e de 14 às 18 horas, no Auditório Cláudio Ulpiano, na Cidade Universitária. A Secretaria de Desenvolvimento Social, Direitos Humanos e Cidadania, a Coordenadoria de Políticas para Mulheres e o Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam) foram responsáveis pela programação.

A importância do seminário foi destacada pela Secretária de Desenvolvimento Social, Tatiana Pires. "A violência está em toda parte, em todas as classes sociais, não está restrita à raça, cor de pele, religião. O município tem equipamento de proteção para acolher a mulher vítima de violência, que vem fragilizada, mas é atendida por um trabalho de rede de modo a garantir a essa mulher a segurança", disse a secretária.

Satisfeita com a adesão pública ao evento, a coordenadora de políticas para mulheres e do Ceam, Jane Roriz, evidenciou os dados: em 2016 foram 3.921 atendimentos sociais, psicológicos e jurídicos pela equipe técnica, formada por assistentes sociais, psicólogos e advogados, referenciados por algum órgão que atende as mulheres ou por demanda espontânea.

Fonte: Equipe da SECOM